Página Inicial
Mahabharata
Perguntas e Respostas
Vida e Pensamentos
Fale Conosco

 

Gandhari dá à luz

 

Sri Vaishampayana disse:

Ó rei, então Dhrtarastra gerou cem filhos em sua esposa, Gandhari, e o seu centésimo primeiro filho nasceu da filha de um comerciante. E Pandu, para expandir sua linhagem real, obteve cinco filhos, todos guerreiros Maharathas, por suas duas esposas, Kunti e Madri. Esses cinco filhos foram todos gerados por deuses pessoalmente. 

Rei Janamejaya disse:

Ó melhor dos duas vezes nascidos, como cem filhos nasceram de Gandhari? Quanto tempo levou para os procriar todos, e quem era o primogênito dos meninos? Como uma única criança nasceu para Dhrtarastra da filha de um comerciante? E como Dhrtarastra pôde desconsiderar daquele modo uma esposa como Gandhari, que sempre foi dedicada à felicidade dele e que sempre andou no caminho da retidão? 

Como é que Pandu, entretanto amaldiçoado por um sábio santo, obteve dos deuses cinco filhos que foram todos guerreiros Maharathas? Ó asceta, cuja riqueza é austeridade, você sabe as respostas para minhas perguntas. Explique, então, em detalhes esses eventos tais como aconteceram na verdade, pois eu nunca me canso de ouvir sobre meus antepassados. 

Sri Vaishampayana disse:

Uma vez o grande sábio Dvaipayana, conhecido como Vyasa, aconteceu de ser aborrecido por fome e fadiga. Gandhari, a esposa pura de Dhrtarastra, o encontrou naquele estado exausto e o satisfez por completo com seu serviço dedicado. Vyasa ofereceu-lhe então uma graça, e ela escolheu ter cem filhos com o mesmo caráter do marido. Vyasa a abençoou como ela desejava, e em tempo ela ficou grávida de seu marido, Dhrtarastra. 

Gandhari carregou sua gravidez durante dois anos completos, e ainda estava sem filhos. Gradativamente, o pesar tomou conta de sua mente. Ouvindo que a cunhada Kunti tinha dado à luz um filho que era como um pequeno deus Sol, e não vendo nenhum progresso na sua própria gravidez, Gandhari pensou com desespero no que fazer. Incapaz de suportar sua frustração, ela golpeou seu útero repetidamente com grande esforço, causando a queda do embrião.

Um pedaço duro de carne, como uma bola vermelha de ferro, caiu de seu útero. Depois de dois anos de sofrimento, este era o resultado. Dor e raiva cresceram em seu peito, e sem dizer qualquer coisa a seu marido, Gandhari estava a ponto de jogar fora o pedaço de carne. 

O grande sábio Vyasa tinha abençoado Gandhari para ter cem filhos. Agora por sua visão poderosa, ele entendeu que Gandhari estava a ponto de destruir seu embrião, e portanto aquele sábio eloqüente veio até ela depressa e viu a massa carnosa. Ele então disse-lhe:

–Ó filha de Subala, o que você está planejando fazer? 

Gandhari revelou seu plano de verdade ao grande sábio.

–Quando eu ouvi – ela disse – que Kunti foi a primeira a ter um filho e que a criança dela era tão bonita quanto o deus Sol, não pude suportar a frustração e golpeei o embrião de meu útero. Meu senhor, uma vez você me abençoou ter cem crianças. Mas agora, no lugar de meus cem filhos, nasceu este mero pedaço de carne. 

Vyasadeva disse:

Querida filha de Subala, é assim mesmo, e não pode ser de outro modo, pois minhas palavras nunca provaram falsidade, até mesmo quando falaram em gracejo. Com certeza tudo que eu prometi a você tem de se tornar realidade. Depressa, prepare cem tigelas e as encha de manteiga clarificada. Então nós borrifaremos água fria em cima desta bola de carne e a manteremos, junto com as tigelas, em um lugar cuidadosamente guardado. 

Sri Vaishampayana disse:

Quando a bola carnosa foi borrifada com água fria, dividiu-se em cento e um pequenos embriões, cada um do tamanho do dedo polegar. Vyasadeva então colocou esses embriões nas tigelas cheias de manteiga clarificada e providenciou para que as tigelas fossem guardadas com cuidado. Vyasa instruiu Gandhari que os potes deveriam ser abertos somente depois de um certo espaço de tempo decorrido. Cumprido assim o arranjo, a grande alma Vyasadeva voltou às montanhas poderosas do Himalaya para continuar suas austeridades. 

Gandhari com cuidado seguiu as instruções do grande sábio e afinal sua primeira criança, conhecida como Duryodhana, nasceu. Embora Duryodhana fosse o primeiro filho nascido para Gandhari e Dhrtarastra, o filho Yudhisthira de Pandu era claramente seu superior, sendo por nascença o príncipe Kuru primogênito. 

Na verdade, no momento em que seu filho nasceu, Dhrtarastra chamou por muitos brahmanas eruditos, junto com Bhisma e Vidura, e disse-lhes: 

– Deixem-me primeiro reconhecer que entre os príncipes de Kuru, Yudhisthira, o filho de Pandu, é o primogênito, e eu estou certo de que ele trará nada mais que fortuna para nossa família. Por suas próprias qualidades excelentes, ele ganhou o direito de reger nosso reino, e nós não podemos falar sequer uma palavra contra ele. Mas meu filho Duryodhana, que nasceu imediatamente depois de Yudhisthira, também tornar-se-á um rei merecedor? Todos vocês, contem-me com verdade e precisão qual é o futuro para meu filho. 

Tão logo havia Dhrtarastra terminado de falar, quando maus presságios apareceram em todas as direções. Chacais e outras bestas carniceiras começaram a uivar, e observando tais sinais temerosos em todos lugares, os brahmanas, junto com o sábio Vidura, disseram a Dhrtarastra:

– Ó rei, está manifesto pelos sinais que este seu filho destruirá a dinastia inteira! Se você quiser alguma paz para sua família, nós aconselhamos que você rejeite esta criança. Se você o elevar como seu filho, cometerá um engano lastimoso. Ó rei, esteja satisfeito com noventa e nove filhos. Sacrifique um para salvar o mundo e proteger sua própria família. Um parente pode ser rejeitado para se salvar a família, e uma família pode ser abandonada para se salvar uma aldeia. Uma única aldeia pode ser sacrificada para se salvar o Estado, e o mundo inteiro poderia ser renunciado para se salvar a alma de uma pessoa. 

Mesmo quando assim orientado por Vidura e todos o brahmanas eruditos, Dhrtarastra estava impossibilitado de seguir o conselho deles, desnorteado como estava pelo afeto por seu filho infantil. E no mês seguinte, nasceram todos os cem filhos de Dhrtarastra, como também uma única filha, a sua centésima primeira criança. 

Durante o tempo em que Gandhari tinha estado sofrendo e incapacitada com o fardo de sua gravidez grande e prolongada, a filha de um comerciante tinha cuidado do poderoso Dhrtarastra que era cego e sempre precisou de uma enfermeira. Depois de servir o rei durante um ano, a mulher deu à luz uma criança dele, o famoso e sábio Yuyutsu, também chamado Karana por causa de seu nascimento misto de pai real e mãe de uma família vaishya, ou comerciante. 

Assim o erudito Dhrtarastra procriou cem guerreiros na linha real juntamente com uma única filha adorável chamada Du_shala (além de um filho procriado em uma virgem vaishya). Cada um desses cem filhos tornar-se-ia mestre de carruagem de guerra, capaz de lutar sozinho com milhares de guerreiros inimigos. 

Janamejaya disse: 

Você nos contou como pela misericórdia do santo Vyasa, Dhrtarastra teve cem filhos. Também mencionou que Dhrtarastra procriou um filho chamado Yuyutsu com uma enfermeira nascida da comunidade comerciante. Mas você não explicou sobre a filha de Dhrtarastra. 

É bem sabido, Ó pessoa sem pecado, que Gandhari foi abençoada por Vyasadeva, o vidente de poder imensurável, a ter cem filhos. Agora, meu senhor, por favor descreva como aquela única filha nasceu. Se o santo Vyasa dividiu o pedaço de carne em cem partes, e Gandhari não teve nenhuma outra criança depois disso, como sua filha Duhshala nasceu? Por favor conte-me o que aconteceu. Ó sábio erudito, eu estou extremamente curioso para ouvir falar disso. 

Vaishampayana disse:

Querido descendente de Pandu, você levantou uma ótima questão, e eu responder-lhe-ei.

O grande asceta Vyasa tinha borrifado água fria no pedaço de carne, dividindo-o então em partes viventes diferentes. Enquanto cada embrião novo aparecia, a enfermeira de Gandhari os colocava um por um em tigelas cheias de manteiga clarificada. Enquanto isso prosseguia, Gandhari piedosa, sempre firme em seus votos religiosos, começou a meditar em como poderia ser ter uma filha. Aquela mulher adorável tinha sido abençoada para ter cem filhos, mas agora em sua mente ela sentia o afeto natural de uma mãe por uma filha. Quanto mais ela pensava nisso, mais cultivava seu desejo.

– Sem dúvida – ela pensou – o sábio santo cumprirá sua promessa, e eu terei cem filhos, mas se eu pudesse apenas ter uma filha, eu sentiria a maior satisfação. Apenas uma filhinha, mais jovem que todos os seus cem irmãos, seria tão agradável. Então meu marido poderia desfrutar das recompensas piedosas dadas àqueles cujas filhas procriam bons filhos. 

– Mulheres nutrem um amor especial por um genro. Eu fui abençoada com cem filhos, mas se eu ainda tivesse uma filha (que eu casaria com um genro bom), então, cercada por meus filhos e pelos filhos de minha filha, eu com certeza cumpriria todos meus deveres em vida. 

[A mente de Gandhari era fixa no seu desejo de ter uma filha, e ela ofereceu esta oração a Deus:] 

– Se eu tenho sido fiel em vida, se eu tenho executado austeridades, feito caridade, ou acendido o fogo de sacrifício, se alguma vez eu tiver agradado meus superiores respeitáveis, então possa eu, por favor, ter uma filha. 

Enquanto Gandhari estava rezando daquele modo, o sábio ilustre Dvaipayana Vyasa terminava de dividir a bola de carne, contando os pedaços para ter certeza se havia cem. Ele então orientou Gandhari, a filha do Rei Subala: 

– Querida senhora – disse –, há cem filhos aqui, portanto eu não lhe fiz uma promessa falsa. Mas de alguma maneira, por arranjo da providência há uma parte extra, além dos cem, e se tornará a filha que tanto você deseja, Ó mulher afortunada. 

Vaishampayana disse:

O grandioso asceta Vyasa então tinha um pote a mais cheio de manteiga clarificada trazido àquele lugar, e ele colocou dentro o embrião que era a filha de Gandhari. E assim, querido rei de Bharata, eu expliquei agora a você como Gandhari deu à luz uma única filha chamada Duhshala. Agora fale-me, rei sem pecado, o que mais eu narrarei a você?

 

 

   

O Nascimento de Karna
O Casamento de Kunti
A Conquista de Pandu
Gandhari dá à luz
O Erro mortal de Pandu
O Nascimento dos Pandavas

O Pedido do Rei Pandu
Filhos dos Deuses
Cumpre-se a Maldição
Vasudeva Manda Presentes